Relatório Anual e
de Sustentabilidade

G4-DMA-EUSD-EC-EU6 G4-EC1 G4-EU30

Resultados

Econômicos

Para a Chesf, o ano de 2016 foi marcado por importantes acontecimentos que impactaram significativamente o resultado financeiro do exercício. Por um lado, a Companhia lidou com uma redução da disponibilidade de caixa devido a bloqueios judiciais no valor de R$ 491,1 milhões, determinados pelo processo judicial que tramita na 12ª Vara Cível da Comarca de Recifes (denominado “Fator K”). Por outro lado, contabilizou R$ 5,09 bilhões referentes à homologação da ANEEL relacionada aos ativos de transmissão das instalações denominadas de Rede Básica do Sistema Existente (RBSE), existentes em maio de 2000 e não amortizados e/ou não depreciados. O valor foi contabilizado em 2016, no entanto a entrada de recursos financeiros no caixa da Companhia ocorrerá apenas em 2017. Essa decisão da ANEEL influenciou positivamente no resultado econômico do exercício de 2016, fazendo com que a Companhia registrasse um lucro de R$ 3.985,4 milhões, um aumento de R$ 4.461,4 milhões em relação ao ano anterior.

Dessa forma, a Chesf conseguiu atenuar compromissos financeiros assumidos e normalizar os pagamentos a fornecedores. Com a repactuação financeira de alguns contratos, o apoio da Holding na liberação de recursos necessários aos novos empreendimentos, o novo patamar de receitas no segundo semestre de 2017, associado ao processo de reestruturação administrativa, a Chesf tem como perspectiva equilibrar o fluxo de caixa até o fim de 2017.

 

O valor econômico gerado pela Companhia em 2016 aumentou consideravelmente, saindo de R$ 1.312,3 milhões para R$ 9.018,0 milhões. O montante foi distribuído da seguinte forma: salários, encargos e benefícios aos empregados (9,6%); impostos, taxas e contribuições aos governos federal, estaduais e municipais (43,0%); juros aos financiadores (3,2%) e lucro aos acionistas (44,2%).

 

Mais detalhes sobre as informações financeiras  podem ser encontrados em chesf.gov.br >  Demonstrações Financeiras

 

AQUISIÇÃO E DESINVESTIMENTO
O Plano de Negócios da Chesf (2017-2021) contempla projeções de venda da participação acionária nos empreendimentos eólicos em que a Companhia tem participação como Sociedade de Propósito Específico (SPE). O objetivo é viabilizar a transação no ano de 2017 e a entrada do recurso associado.

 

 

Parque Eólico Vam Cruz

Parque Eólico Vam Cruz

 

Operacionais

Em 2016, a geração de energia da Chesf foi afetada pela baixa da disponibilidade hídrica da região Nordeste. O reservatório de Sobradinho, maior da região, atingiu, ao final do ano, o armazenamento de 12,82% do seu volume útil.

Nesse cenário, as usinas hidrelétricas da Companhia geraram 20.831 GWh, uma redução de 16,9% comparado a 2015. Para garantir o atendimento da demanda de energia, foi necessário maximizar a geração térmica e eólica na região, bem como o recebimento de intercâmbio de outras regiões do Sistema Interligado Nacional (SIN). O ano também foi marcado por investimentos na modernização dos sistemas de telecomunicação e automação dos Centros de Operação.

Os Centros foram equipados com instalações tele assistidas, que permitem comandar as subestações e usinas remotamente, um sistema Video Wall em LCD e um novo servidor SCADA de alta performance. Esses investimentos contribuíram para o aumento da visibilidade do sistema, atingindo a marca de 157.145 pontos de supervisão. Ressalta-se ainda a ampliação dos sistemas de suporte à operação e manutenção, nas áreas de Regulação Automática de Tensão, Supervisão dos Sistemas de Proteção, Qualidade de Energia e Oscilografia.

Dessa forma, a Companhia consegue obter cada vez mais controle de suas operações, garantindo a qualidade do serviço prestado e redução dos custos associados.

 

Desempenho

Em 2016, a Chesf registrou a melhor Parcela Variável (PV) dos últimos três anos. Esse resultado está associado à suspensão da apuração dos eventos referentes ao período de julho a dezembro, pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), para adequação ao estabelecimento de novas regras de apuração definidas pela ANEEL. A apuração dos referidos meses será computada em 2017.

 

O indicador de Robustez manteve a tendência contínua de melhora dos últimos anos. Esse resultado demonstra uma evolução do Sistema Chesf (Rede Básica) no que diz respeito a ocorrências envolvendo interrupção do fornecimento de energia elétrica.

 

O indicador referente ao Número de Eventos com Interrupção de Carga na Rede Básica (NEIC-RB) apresentou um pequeno aumento se comparado a 2015. Ocorrências nos meses de novembro e dezembro de 2016 impactaram nesse resultado, até o mês de outubro registrava-se o melhor resultado histórico.

 

O indicador referente ao Número de Eventos com Interrupção de Carga na Rede Básica (NEIC-RB) apresentou um pequeno aumento se comparado a 2015. Ocorrências nos meses de novembro e dezembro de 2016 impactaram nesse resultado, até o mês de outubro registrava-se o melhor resultado histórico.

 

Já o indicador de Disponibilidade Operacional de Geração apresentou uma melhora significativa em 2016, em relação a 2015, revertendo uma sequência de redução ocorrida nos últimos dois anos.